Publicado em 11 May 2021

Os requisitos normativos para odoração do gás natural (GN) canalizado

Redação

Existe uma grande convergência de opiniões sobre a importância da participação do gás natural na matriz energética brasileira, devido às suas características como combustível limpo e flexível, e sobre a necessidade de incentivar seu uso, visando melhorar a qualidade ambiental em regiões metropolitanas e garantir a competitividade da indústria brasileira. Igualmente, tem-se falado muito nele na geração de eletricidade, devido ao seu papel fundamental em garantir o suprimento de energia no país. No entanto, não existe convergência de opiniões sobre o melhor perfil de utilização do gás nesse segmento, com algumas correntes defendendo a geração na base, outras entendendo que a geração a gás natural deveria ser apenas em complementação das hidrelétricas. Não resta dúvida que o gás natural é o combustível fóssil mais limpo e eficiente e é produzido tanto em associação com o petróleo (gás associado) como de forma independente (gás não associado). Devido às suas propriedades físico-químicas e à contínua evolução tecnológica, pode ser utilizado em diversos setores da atividade econômica: na produção de eletricidade, em processos industriais, no comércio, residências e no setor de transportes. O gás natural comercializável é quase completamente metano e pela predominância dele na composição do gás natural todas as analises físicas e termodinâmicas podem ser realizadas como se este fosse o único gás presente na mistura, sem comprometimento dos resultados, como se tem mostrado a prática. Em rede de distribuição de gás de fornecedores de energia importantes, grandes quantidades de gás natural são encaminhadas a partir da rede de alta pressão para diferentes sub-redes. Unidades de medida de pressão e controle são necessários para cumprir as normas de segurança exigidas e o gás natural é odorizado centralmente no líquido de alta pressão ou descentralizada em diferentes redes locais. A odorização significa que um gás odorante é adicionado ao gás natural sem cheiro. Por isso deve-se entender as atividades de odoração e os controles adotados para garantir a entrega do gás natural (GN) para consumo, em níveis olfativos seguros.

Da Redação – 

Os operadores que transportam gás natural por meio de redes de transporte de gás para centrais elétricas, operações industriais e, utilizando redes locais, para residências particulares. Em centros distintos, chegam grandes quantidades de gás que são posteriormente canalizadas para diferentes sub-redes e várias direções. Um controlador de pressão de gás e um sistema de medição asseguram o cumprimento dos regulamentos de segurança obrigatórios e o processamento sem problemas.

Ele também regula a pressão de entrada para a pressão nominal de saída necessária. Nesta fase, o gás é normalmente odorizado – uma medida destinada a tornar a fuga não intencional de gás reconhecível para todos pelo olfato. Assim, os riscos e acidentes de segurança podem ser evitados, e as fugas de gás podem ser detectadas rapidamente.

O sistema de odoração deve injetar odorante no fluxo de gás natural, a jusante do sistema de vaporização, o mais próximo possível do vaporizador e em quantidade suficiente para a detecção de vazamentos, atendendo aos critérios definidos nas NBR 15614 e NBR 15616, suas referências e regulamentação da...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica