Publicado em 07 Jul 2020

Os métodos de ensaios em solos

Redação

Os ensaios laboratoriais de caracterização dos solos constituem um dos componentes de grande relevância na engenharia geotécnica e na agricultura. Podem ser feitos estudos mais detalhados para caracterizar o comportamento da tensão de deformação dos solos que contribuem para um dimensionamento mais racional das obras a serem realizadas. Para tal, torna-se indispensável um programa avançado de ensaios laboratoriais de precisão. De uma forma resumida, pode-se dizer que a caracterização do comportamento da tensão e da deformação no tempo do solo deverá contemplar os ensaios de campo, os laboratoriais e a observação do comportamento em escala real. Os ensaios a serem realizados deverão visar a caracterização física e mecânica dos materiais. A caracterização física é feita habitualmente recorrendo a ensaios de rotina simples como: análises granulométricas, determinação dos limites de consistência e do teor em água natural (nos solos finos), ensaios de compactação, determinação da massa volumétrica por meio de amostras representativas e determinação da densidade das partículas sólidas. Este conjunto de ensaios proporcionam a obtenção de parâmetros índice que identificam não só a natureza do solo, bem como podem ser correlacionados com as suas propriedades mecânicas. Outro ensaio seria um método para o cálculo de compacidade relativa correspondente a um determinado índice de vazio mínimo do material ensaiado. Também pode ser citado o método de ensaio para determinação das propriedades de adensamento do solo, caracterizadas pela velocidade e magnitude das deformações, quando o solo é lateralmente confinado e axialmente carregado e drenado, além do método para determinação da massa específica aparente de amostras indeformadas de solo, com emprego da balança hidrostática.

As rochas existentes na superfície da Terra estão sujeitas ao intemperismo que é o conjunto das modificações de natureza física (desagregação) e química (decomposição) que elas sofrem e que dependem de vários fatores, como clima, relevo, fauna, flora, tipo de rocha e tempo de exposição. Os produtos friáveis e móveis formados pelo intemperismo e que não são imediatamente removidos pela água, vento ou gelo evoluem, sofrendo uma reorganização estrutural, e dão origem ao que se chama de solo, em um processo conhecido por pedogênese.

Não é fácil definir solo porque, além de ser um material complexo, a definição necessariamente precisa levar em conta sua utilização. Para o geólogo, por exemplo, o solo é o produto de alteração das rochas; para um arqueólogo é o meio em que ficam preservados registros de civilizações passadas; para o agrônomo ou agricultor, é o meio onde crescem as plantas; para um engenheiro, é o material em que serão fixadas as fundações de uma construção; para um hidrólogo, é um meio em que se armazena água subterrânea.

Para o estudioso das ciências da Terra, pode-se definir solo como o produto do intemperismo, do remanejamento e da reorganização das camadas superiores da crosta terrestre, sob ação da atmosfera, da hidrosfera, da biosfera e das trocas de energia envolvidas. Dependendo dos fatores que afetam o intemperismo, os solos terão características e propriedades físicas, químicas e físico-químicas diferenciadas. Poderão ser argilosos ou are...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica