Publicado em 25 May 2021

A gestão das fontes potenciais de ignição em atmosferas explosivas

Redação

O equipamento a ser utilizado em uma área classificada pode apresentar temperaturas que poderiam exceder a temperatura de ignição do gás inflamável em operação normal e que poderiam se tornar ativas como uma fonte de ignição, no caso de ocorrências regulares esperadas. Neste caso, um fluxo de ar suplementar é incluído para fins de resfriamento adicional. A avaliação do risco de ignição pode identificar diversas condições que podem gerar preocupações para esta aplicação e, desta forma, uma quantidade de controles pode ser requerida. Existem alguns fatores relevantes para os riscos de ignição. Por exemplo, a confiabilidade do sistema de ventilação, enquanto o equipamento estiver em operação. O desligamento automático do equipamento em caso de falha do sistema de ventilação. A possibilidade de manter uma temperatura baixa do ar de alimentação para o sistema de resfriamento e a possibilidade de pré-ventilação por um tempo determinado ou de uma quantidade determinada de troca de ar antes que a energização da máquina seja feita. Igualmente, a possibilidade de proteção de partículas quentes que podem escapar para a área classificada, por exemplo, da Zona 1, e a fonte de ar limpo fora da área classificada e integridade dos dutos associados. Por exemplo, por meio de projeto adequado e pela manutenção de pressão positiva nos dutos de alimentação de ar. Por tudo isso, deve-se conhecer as orientações para os fabricantes de equipamentos em que os dispositivos elétricos de segurança são utilizados para a redução da possibilidade de fontes potenciais de ignição se tornarem efetivas em equipamentos Ex instalados em atmosferas explosivas.

Da Redação – 

Uma explosão é qualquer onda de combustão não controlada. Para criar uma explosão, deve ter um combustível (por exemplo, um gás explosivo, como hidrogênio) e oxidante (como o oxigênio do ar) e uma fonte de energia de ignição (por exemplo, uma superfície quente ou uma faísca elétrica). Esses três itens são comumente chamados de triângulo do fogo. Além disso, duas facetas adicionais são necessárias: algo para misturar o combustível e o oxidante (como a turbulência criada em um vazamento de gás sob pressão) e contenção.

No entanto, é prática industrial comum usar o termo explosão para combustão confinada e não confinada. Para qualquer mistura de um gás ou vapor combustível com um oxidante, existe uma energia de ignição crítica. Se alguém liberar menos do que aquela quantidade crítica de energia na mistura, não haverá uma explosão autopropagada.

Alguma combustão pode ocorrer temporariamente, mas a onda de combustão não crescerá e se propagará automaticamente. Se alguém liberar pelo menos a quantidade crítica de energia, a onda de combustão passará pelos estágios incipientes de crescimento e se autopropaga...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica