Publicado em 19 Jan 2021

As especificações normativas para a madeira serrada

Redação

A despeito da existência de muitos materiais de substituição, a madeira tem conservado seus usos, principalmente nos países industrializados, em virtude de suas propriedades e características, como a grande resistência mecânica em relação ao peso, facilidade de uso, baixa condutibilidade térmica, agradável ao tato, etc. O setor madeireiro no Brasil tem sido marcado por um processo de utilização crescente de madeiras provenientes de reflorestamento e isso tem se tornado mais evidente nos últimos anos, sobretudo em razão dos questionamentos existentes em relação à exploração das florestas nativas, quer seja por razões ecológicas, quer seja pela elevação dos preços de suas madeiras, devido às dificuldades da exploração da floresta tropical e às grandes distâncias entre as zonas de produção e de consumo. Ademais, a indústria dos produtos à base de madeira tem-se defrontado com desafios que estão provocando drásticas mudanças. A madeira serrada tem como vantagens o seu baixo custo, facilidade de corte e montagem e sua disponibilidade. Possui, como desvantagens, baixa durabilidade, variabilidade (que exige cálculos muitas vezes superdimensionados) e poucos fornecedores honestos, além de ser um recurso natural que precisa ser explorado de maneira sustentável. A madeira é amplamente utilizada em estruturação, travamento e muitas vezes como complemento dos sistemas industrializados. Devido à sua facilidade de corte, é muito utilizada também na confecção de painéis curvos. Antes do surgimento das chapas de madeira revestidas, era utilizada também como tal, ficando em contato direto com o concreto. Hoje, devido ao seu baixíssimo reaproveitamento neste uso, só é utilizada quando se deseja que a superfície de concreto adquira a textura dos veios da madeira. Entenda os termos adotados na especificação da madeira serrada, além das especificações aplicáveis a madeira serrada, independentemente do uso e aplicação.

Da Redação – 

No caso da madeira serrada, o rendimento no processo de desdobro, entendido como a relação entre o volume produzido de madeira serrada e o volume processado de toras, é um fator cada vez mais preponderante para a competitividade da indústria de madeira sólida. No Brasil, cerca de 35% do custo industrial da produção de madeira serrada é representado pela matéria prima, ou seja, a madeira em tora.

Em resumo, as serrarias utilizam técnicas de desdobro que nem sempre alcançam resultados satisfatórios em relação ao rendimento em madeira serrada e qualidade de corte. A produtividade de uma madeira serrada pode ser influenciada por diversos fatores, porém dois aspectos se destacam entre os demais: as características da tora e o processo de desdobro.

Em relação às toras, a conicidade é a diferença excessiva entre os diâmetros da ponta grossa e da ponta fina resultam em perda excessiva de material, visto que a obtenção de madeira serrada se dará a partir da ponta de menor diâmetro. A conicidade ocorre principalmente em árvores isoladas ou situadas às margens de plantios florestais. A tortuosidade é o desvio na...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica