Publicado em 09 Mar 2021

A quantificação de glicosaminoglicanos sulfatados na condrogênese

Redação

A cartilagem por meio de engenharia tecidual é um combinado de culturas obtido por meio da associação de células vivas, como condrócitos ou células tronco, com ou sem arcabouço, também conhecido como scaffold de células, ou outros tipos de biomateriais. Os glicosaminoglicanos sulfatados são as longas cadeias ramificadas de unidades dissacarídeas repetidas, que são sulfatadas em posições variáveis. Pode-se afirmar que o corpo humano se origina basicamente de células-tronco embrionárias, ectoderme, mesoderme e endoderme. É a partir desses três folhetos que os 230 tipos de células encontrados no organismo se diferenciam. No organismo diferenciado, muitos tecidos mantêm linhagens de células-tronco adultas que funcionam na reposição e regeneração tecidual, são as mais abundantes as de origem mesodérmica, chamadas células-tronco mesenquimais (CTM) que são encontradas em diversos locais do corpo, como a medula óssea vermelha, folículos capilares, músculo, cordão umbilical, polpa dentária, tecido adiposo, ósseo e cartilaginoso, entre outros. Com os avanços do conhecimento sobre as CTM adultas, o uso clínico para fins de regeneração tecidual se tornou bastante atrativo. Porém, conhecer e manipular as CTM de modo eficaz e seguro é ainda um grande desafio, principalmente quando se trata de tecidos que têm difícil regeneração, como é o caso da cartilagem. Em termos estruturais, a cartilagem articular é rica em matriz extracelular, na qual se encontram distribuídos condrócitos isolados ou em grupos clonais organizados em pequenas colônias celulares. Os condrócitos são responsáveis pela secreção dos componentes da matriz cartilaginosa, como colágeno, glicoproteínas e proteoglicanas. A nutrição do tecido cartilaginoso ocorre via capilares contidos no pericôndrio, um tecido conjuntivo que envolve a cartilagem e que tem CTM adultas chamadas condroblastos. Entretanto, como as cartilagens que revestem os ossos das articulações móveis não têm pericôndrio, a sua nutrição é feita pelo líquido sinovial presente nas cavidades articulares. O líquido sinovial representa um ultrafiltrado de plasma que atravessa a membrana sinovial, na qual recebe mucopolissacarídeos que contêm ácido hialurônico e uma pequena quantidade de proteínas de alto peso molecular. Assim, mesmo com uma grande quantidade de proteínas colágenas, a pequena quantidade de componentes celulares no tecido cartilaginoso dificulta sua regeneração e faz com que lesões articulares repetitivas tenham uma maior tendência à cronificação. Existem métodos de ensaio para a quantificação de glicosaminoglicanos sulfatados (GAG), um dos principais componentes da matriz extracelular de cartilagens articulares, meniscais e elásticas, e de combinados de cartilagem fabricados por meio de engenharia tecidual.

Da Redação – 

O tecido cartilaginoso é conjuntivo especial, cujas células derivam da célula mesenquimal indiferenciada. É um tecido avascular, formado por células denominadas condroblastos e os condrócitos que estão envolvidos por uma matriz extracelular abundante. Mais de 95% do volume da cartilagem consiste em matriz extracelular, que constitui o elemento funcional desse tecido.

Os condroblastos são células jovens com alta capacidade de síntese dos elementos da matriz. Os condrócitos são células maduras com diminuição de sua atividade metabólica, responsáveis pela manutenção da matriz e pelo controle metabólico da cartilagem na qual se encontram.

A matriz extracelular da cartilagem é sólida e firme, mas também ligeiramente maleável, o que explica a sua elasticidade. Como não existe nenhuma rede vascular na cartilagem, a composição da matriz extracelular é de importância crucial para a sobrevivência dos condrócitos.

O tecido cartilaginoso e´ classificado com base na organização dos condrócitos (em grupos ou isolados) e na composição da matriz extracelular. Dessa forma, existem três tipos de cartilagem: hiali...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica