Publicado em 22 Sep 2020

A qualificação do profissional para resgate em altura e/ou em espaço confinado

Redação

Pode-se definir uma área de resgate como uma área quente em toda extensão do local exato do acidente em que está localizada a vítima e que possui um tamanho proporcional aos perigos existentes e o autorresgate como o conjunto de ações adquiridas por meio de treinamento, para que uma pessoa, de forma autônoma, saia de ambientes de risco ou alcance socorro após acidentes. A evacuação é o processo de remoção urgente de pessoas para um local seguro, cuja a vida ou integridade física possa estar ameaçada em decorrência de emergências nos trabalhos em altura e/ou em espaço confinado, mediante a utilização de técnicas, equipamentos e sistemas previamente selecionados de pré-engenharia, pré-montados ou automáticos e equipe de resgate grupo de resgatistas treinados, capacitados, equipados e disponíveis, com aptidão física e mental, organizados para um serviço de emergência e resgate especificado pelo plano de resgate e dimensionado conforme análise de risco, específica para a atividade de resgate do trabalhador, vítima de acidente, nos trabalhos em altura e/ou espaço confinado. Considera-se equipe de intervenção rápida de resgate o grupo formado por pelo menos dois resgatistas, inteiramente equipados e em estado de prontidão nos locais em que se desenvolvem os trabalhos, com o propósito de fazer contato inicial com os trabalhadores feridos ou aprisionados em local de difícil acesso, iniciar os cuidados necessários e, se possível, efetuar o resgate imediato. Considera-se intervenção rápida a operação de resgate executada com o objetivo de minimizar o tempo de resposta, sem expor o resgatista a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde durante o atendimento. Nas intervenções com acesso aos interiores de espaços confinados, a equipe da intervenção rápida somente pode adentrar o local com o apoio da equipe de resgate constituída por meio do plano de resgate. A equipe de intervenção rápida não é considerada a equipe de resgate constituída pelo plano de resgate. Importante entender que os espaços confinados são qualquer área ou ambiente não projetado para ocupação humana contínua, que possua meios limitados de entrada e saída, cuja ventilação existente é insuficiente para remover contaminantes ou onde possa existir a deficiência ou enriquecimento de oxigênio. Assim, o resgate técnico ou salvamento é a intervenção operacional executada por equipe de resgate própria, externa ou composta pelos próprios trabalhadores, para resgate de uma ou mais pessoas que se encontram a serviço nos ambientes de trabalho, vítimas de acidentes por trabalho em altura e/ou espaço confinado, aprisionadas e/ou expostas a situação de risco iminente à sua integridade física ou emocional, sendo necessária a utilização de equipamentos e técnicas de resgate de movimentação, podendo incluir, porém não necessariamente, a aplicação de primeiros socorros. O resgatista é a pessoa capacitada e treinada, com aptidão física e mental que, para desempenhar ou coordenar uma intervenção operacional de resgate em altura e/ou em espaço confinado. Deve-se compreender os requisitos para a qualificação para profissional de resgate técnico industrial em altura e/ou em espaço confinado, especificando o treinamento, conteúdo programático e os níveis de qualificação para profissional de resgate técnico industrial em altura e/ou em espaço confinado por ela estabelecidos.

Há algumas recomendações para empresas que possuem equipe de resgate técnico, formadas por seus próprios trabalhadores ou por empresas que prestam serviços de resgate técnico. Seria ideal que sejam estabelecidos os níveis de qualificação necessários para a execução de resgates técnicos em altura e/ou em espaço confinado, baseados na identificação dos perigos existentes nos locais de trabalho e da identificação da análise de risco, para os serviços a serem executados, onde haja o risco de queda ou de condição ou atmosfera imediatamente perigosa à vida ou à saúde (IPVS), em ambientes identificados como espaços confinados. Além do nível de qualificação necessário para execução de resgate, o trabalhador deve possuir experiência mínima de seis meses na função correspondente no nível anterior, validada por responsável técnico em segurança do trabalho, com exceção do nível industrial e operacional.

A empresa deve providenciar, por meios formais, os treinamentos e os exercícios que assegurem a continuidade da qualificação necessária, para manter a manutenção dos conhecimentos e habilidades para os níveis de qualificação correspondente aos seus resgatistas. Igualmente, devem ser estabelecidos os procedimentos operacionais padronizados, relativos aos níveis de qualificação, para os resgatistas que irão compor os serviços de resgate, para minimizar os riscos de acidentes para os resgatistas e para as vítimas durante a execução das operações de resgate, aprovados por res...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica