Publicado em 17 Aug 2021

O recolhimento, a reciclagem e a regeneração (3R) de fluidos refrigerantes

Redação

Os fluidos refrigerantes são substâncias empregadas como veículos térmicos na realização dos ciclos de refrigeração. Em ciclos de compressão a vapor, o refrigerante é o fluido de trabalho que alternadamente vaporiza e condensa quando absorve e libera energia térmica. Um refrigerante satisfatório deveria possuir certas propriedades químicas, físicas e termodinâmicas que faz o seu uso seguro e econômico, mas, não existe um refrigerante ideal. As largas diferenças entre as condições operacionais e as exigências das várias aplicações fazem com que o refrigerante ideal seja uma meta impossível de se alcançar. Então, um refrigerante só se aproxima das condições ideais somente quando suas propriedades satisfazem as condições e exigências de uma determinada aplicação. São características desejáveis dos refrigerantes: não deve ser inflamável, não explosivo, não tóxico em seu estado puro ou quando misturado com o ar e, também, não deve contaminar alimentos ou outros produtos armazenados no espaço refrigerado se ocorrer um vazamento no sistema. As pressões correspondentes às temperaturas disponíveis com os meios de condensação normais não devem ser excessivas, para assim eliminar a necessidade de construção extremamente pesada. As pressões correspondentes às temperaturas necessárias para maior parte dos processos de condicionamento de ar e refrigeração devem ser acima da pressão atmosférica para assim evitar penetração de ar e vapor d'água. Um calor de vaporização relativamente grande é desejável para que as capacidades necessárias possam ser obtidas com o menor peso do fluxo de refrigerante. O vapor deve ter um volume específico relativamente baixo, porque é este volume que estabelece a dimensão necessária ou deslocamento do compressor. Esta propriedade é mais importante para o compressor alternativo do que para a máquina centrífuga a qual é uma bomba de baixa pressão e grande volume. É desejável que o refrigerante tenha um baixo calor específico no estado líquido para que menos calor seja necessário para esfriar o líquido partindo da temperatura de condensação até a temperatura a qual o resfriamento deve ser realizado. Não deve ser corrosivo para os metais usualmente empregados em um sistema de refrigeração e devem ser quimicamente estáveis. Para regenerar ou tratar o fluido refrigerante contaminado deve-se levá-lo à condição de produto novo e verificar, por análise físico-química, com emissão de laudo, de acordo com a NBR 16667. Por isso, é importante estabelecer os métodos e os procedimentos a serem adotados na execução dos serviços de manutenção quanto ao recolhimento, reciclagem, armazenagem, regeneração e disposição final de fluidos refrigerantes em equipamentos e instalações de refrigeração e ar-condicionado.

A ideia de recolher o fluido refrigerante é remover ou transferir ele, sem a necessidade de processá-lo ou limpá-lo, sendo essa a forma mais simples e com baixo custo, para o atendimento de procedimentos ou de regulamentos para evitar lançar na atmosfera esses poluentes. Pode-se observar que este equipamento transfere o fluido refrigerante, não fazendo mais nada além disso. Lembre-se que nunca deve misturar no mesmo recipiente de armazenagem fluidos de diferentes tipos.

Exemplo: não misturar o R22 com o R134a porque os equipamentos disponíveis no Brasil não permitem esta operação. Assim, reciclar é remover alguns contaminantes encontrados nos sistemas, como óleo, água, ácidos oleicos e clorídricos. Nesse processo o refrigerante é destilado, depois filtrado, condensado e reenvasado.

Regenerar é remover alguns contaminantes encontrados nos sistemas, como óleo, água, ácido oleicos e clorídricos, e depois o refrigerante é destilado, depois filtrado, então condensado, analisado e se estiver de acordo com a norma ARI 700, que trata da pureza, umidade, acidez, gases não condensáveis e níveis de resíduos máximos permitidos. Depois então é reenvasado....

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica