Publicado em 31 Aug 2021

As técnicas conformes do ensaio por correntes parasitas em materiais metálicos

Redação

O ensaio não destrutivo por correntes parasitas é utilizado na indústria aeroespacial e em outros ambientes de manufatura e serviços que exigem inspeção de metais finos para possíveis problemas relacionados à segurança ou à qualidade. Além da detecção de trincas em chapas e tubos de metal, a corrente parasita pode ser usada para determinadas medições de espessura de metal, como a identificação de corrosão sob a pele da aeronave, para medir a condutividade e monitorar os efeitos do tratamento térmico, e para determinar a espessura de revestimentos não condutores sobre condutores. substratos. Os instrumentos de campo portáteis e de sistema fixo estão disponíveis para atender a uma ampla variedade de necessidades de teste. Ele pode examinar grandes áreas muito rapidamente e não requer o uso de líquidos de acoplamento. Além de encontrar rachaduras, a corrente parasita também pode ser usada para verificar a dureza e a condutividade do metal em aplicações onde essas propriedades são de interesse e para medir camadas finas de revestimentos não condutores, como tinta em peças de metal. Ao mesmo tempo, os ensaios por correntes parasitas são limitados a materiais que conduzem eletricidade e, portanto, não podem ser usados em plásticos. Em alguns casos, a corrente parasita e os testes ultrassônicos são usados juntos como técnicas complementares, com a corrente parasita tendo uma vantagem nos testes rápidos de superfície e os ultrassônicos com uma melhor penetração na profundidade. Deve-se entender as técnicas para a execução do ensaio por correntes parasitas para a detecção e dimensionamento de descontinuidades superficiais e subsuperficiais (próximo da superfície) em materiais metálicos, inclusive suas juntas soldadas.

Da Redação – 

As correntes parasitas circulam em condutores como redemoinhos em um riacho, sendo induzidas por campos magnéticos variáveis e fluem em circuitos fechados, perpendiculares ao plano do campo magnético. Podem ser criadas quando um condutor está se movendo através de um campo magnético ou quando o campo magnético ao redor de um condutor estacionário varia, ou seja, qualquer coisa que resulte em uma mudança na intensidade ou direção de um campo magnético pode produzir correntes parasitas.

O tamanho da corrente parasita é proporcional ao tamanho do campo magnético, à área do loop e à taxa de variação do fluxo magnético, e inversamente proporcional à resistividade do condutor. Como qualquer corrente fluindo através de um condutor, uma corrente parasita produzirá seu próprio campo magnético.

A direção da corrente induzida magneticamente, como uma corrente parasita, será tal que o campo magnético produzido se oporá à mudança do campo magnético que o criou. Esta resistência criada pelos campos magnéticos opostos é explorada na frenagem por correntes parasitas, que é comumente usada como um método de parar ferr...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica