Publicado em 20 Oct 2020

A segurança dos coletores-compactadores de resíduos sólidos

Redação

A gestão dos resíduos sólidos é um dos serviços urbanos mais custoso, absorvendo normalmente até 1% do PIB e de 20% a 40% das receitas municipais nos países em desenvolvimento. Proporciona emprego para até seis trabalhadores por cada 1.000 habitantes, mas o serviço é frequentemente inadequado, com mais de metade dos resíduos gerados nas áreas urbanas não sendo recolhidos e grandes áreas de cidades não recebendo atenção regular. Invariavelmente, a maioria dos carentes vivem em assentamentos de baixo rendimento. A responsabilidade de fornecer um serviço de gestão de resíduos sólidos geralmente depende do governo local e uma deficiência comum e fundamental é o fracasso dos governos em garantir que estejam disponíveis recursos suficientes para prestar um nível de serviço aceitável. Para agravar a situação, os limitados fundos disponíveis são frequentemente utilizados para adquirir equipamento de recolha inadequado e, muitas vezes, inapropriado, ou para manter uma frota de recolha insuficiente e obsoleta. Consequentemente, o serviço prestado na maioria das cidades dos países em desenvolvimento pode, na melhor das hipóteses, ser descrito como não confiável, irregular e ineficiente. Muitas vezes os sistemas utilizados em países em desenvolvimento foram recomendados por consultores estrangeiros de países com condições econômicas e sociais muito diferentes e resíduos com características completamente diferentes. Pode ser encontrada uma vasta gama de tipos de veículos para o transporte dos resíduos urbanos e eles são motivo de preocupação nas duas tendências dominantes em relação aos que são utilizados. A primeira diz respeito ao uso de veículos antigos que não são econômicos e são ineficientes. A segunda é a da substituição gradual de frotas de veículos para resíduos obsoletos por caminhões compactadores modernos que são totalmente inadequados para a maioria das aplicações em países em desenvolvimento. Os gestores públicos, responsáveis pela gestão dos resíduos sólidos nos países em desenvolvimento muitas vezes não têm consciência da importância de uma seleção cuidadosa desses veículos para as condições locais e têm pouca ou nenhuma informação sobre a gama de veículos disponíveis, não estando, portanto, capazes de selecionar os tipos que seriam os mais adequados. Dessa forma, deve-se conhecer os requisitos de segurança para os coletores-compactadores móveis de resíduos sólidos, de carregamentos traseiro e lateral.

A coleta de lixo é uma atividade essencial na rotina de qualquer sociedade, e diante de um mundo cada vez mais produtivo, se tornou fundamental que os equipamentos de coleta acompanhem essa evolução. No Brasil, a maior parte dos resíduos sólidos é coletada e transportada por meio de caminhões compactadores de resíduos ou caminhões de lixo. O que se vê nas ruas, em geral, são equipamentos bastante desgastados, barulhentos, e que trazem certo questionamento sobre o seu projeto.

O lixo é um problema inevitável, e que diante de um mundo cada vez mais competitivo e produtivo, afeta comunidades do mundo inteiro. Coletar significa recolher o lixo acondicionado por quem produz para encaminhá-lo, mediante transporte adequado, a uma possível estação de transferência, a um eventual tratamento e `a disposição final.”, sendo assim, apesar de o Brasil coletar aproximadamente 90% dos resíduos sólidos urbanos que são gerados no país, ainda existem regiões em que esse índice não chega a 80% e, portanto, cerca de 20.000 toneladas de resíduos sólidos deixam de ser coletados.

O principal objetivo da coleta de lixo é evitar problemas de saúde pública, enchentes e manter a estética da região, resultando em uma melhor qualidade de vida. Para que isto seja possível, a coleta de lixo precisa ser eficiente, ou seja, precisa ter planejamento t´técnico, equipamentos adequados e participação da comunidade. O primeiro parâmetro de grande importância para a coleta de lixo é a sua regulari...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica