Publicado em 14 Dec 2021

Como determinar o teor de PCB em líquidos isolantes elétricos

Redação

As bifenilas policloradas (polychlorinated biphenyls - PCB) são os compostos químicos gerados quando os átomos de hidrogênio da bifenila são parcialmente ou completamente substituídos por átomos de cloro, desde a substituição de apenas um hidrogênio até a substituição total dos 10 átomos. Já o Aroclor é o nome comercial utilizado para misturas conhecidas de bifenilas policloradas em proporções estabelecidas de cloro na mistura. Por exemplo, o Aroclor 1242 indica que 42 % de cloro da composição da mistura. Assim, as PCB são os compostos orgânicos aromáticos clorados artificiais, na forma líquida ou sólida, e não possuem odor ou gosto. As misturas técnicas contendo PCB possibilitam seu emprego em vários segmentos industriais, como fluidos dielétricos em capacitores e transformadores elétricos, turbinas de transmissão de gás, fluidos hidráulicos, resinas plastificantes, adesivos, sistemas de transferência de calor, aditivo antichama, óleos de corte e lubrificantes. As PCB foram banidas em diversos países devido aos potenciais efeitos nocivos à saúde humana e ao ambiente. O comércio, produção e uso de PCB no Brasil é proibido desde 1981. A Convenção de Estocolmo sobre poluentes orgânicos persistentes, da qual o Brasil é signatário, restringe severamente a utilização das PCB e determina a adoção de medidas para reduzir ou eliminar a sua liberação não intencional. O seu comportamento no ambiente envolve pequenas quantidades dos compostos que podem ser encontradas no ambiente decorrente de liberações que ocorreram no passado e da sua formação não intencional a partir de processos térmicos envolvendo matéria orgânica e cloro, como resultado da combustão incompleta ou reações químicas. Esse grupo de substâncias é extremamente persistente no ambiente e bioacumula nos organismos vivos, com biomagnificação ao longo da cadeia alimentar. Dessa forma, os predadores em nível trófico alto apresentam as maiores concentrações de PCB. As fontes industriais de formação e liberação dessas substâncias são: os incineradores de resíduos, incluindo incineradores de resíduos urbanos perigosos ou de serviços de saúde ou de lodo de esgoto; a queima de resíduos perigosos em fornos de cimento; a produção de celulose com utilização de cloro elementar ou de substâncias químicas que geram cloro elementar, em processos de branqueamento; e os processos térmicos na indústria metalúrgica. A exposição humana às PCB pode ocorrer por via oral, respiratória e dérmica. A ingestão de alimentos é a principal via de introdução no organismo. As PCB apresentam ampla gama de mecanismos de ação para o desenvolvimento de efeitos tóxicos, que variam com o grau de halogenação, bem como a conformação molecular. A exposição de animais a altos níveis de PCB por curto prazo produziu efeitos hepáticos, hematológicos e endócrinos, danos renais e eventualmente a morte. Estudos epidemiológicos da exposição crônica às PCB encontraram alterações hepáticas, imunológicas, oculares, dérmicas e na tireoide, efeitos neurocomportamentais, redução do peso ao nascer, toxicidade reprodutiva e aumento na incidência de tumores. Existe um método para determinação do teor de bifenilas policloradas (PCB) em líquidos isolantes não halogenados, por cromatografia gasosa com coluna capilar de alta resolução, usando detector de captura de elétrons.

Da Redação – 

A grande disseminação de produtos contendo PCB se deve principalmente às suas propriedades físico-químicas. Dentre elas destacam-se: alta constante dielétrica e elevada estabilidade térmica. Isto possibilitou o emprego de misturas técnicas contendo PCB em diversos setores industriais. Estima-se que devido ao grande emprego de PCB a produção mundial acumulada foi de aproximadamente 1.200.000 toneladas.

Desse total, cerca de 60% foi utilizado em transformadores e capacitores, 15% para fluídos de transferência de calor e 25% como aditivos na formulação de plastificantes, tintas, adesivos e pesticidas. Pode-se estimar que cerca de 40% (300.000 toneladas) entrou para o ambiente desde 1920 e que grande parte do restante ainda está em uso, principalmente em equipamentos eletroeletrônicos antigos.

Embora a produção e o uso de muitos compostos organoclorados tenham sido banidos em alguns países, consideráveis quantidades de PCB podem estar armazenadas em áreas de depósitos de resíduos. Desses, estima-se que cerca de 15% da produção mundial de PCB se encontram localizadas em áreas de países em desenvolvimento. ...

Target

Facilitando o acesso à informação tecnológica